Crítica: Hebe – A Estrela do Brasil

Hebe – a Estrela do Brasil‘ toma a sábia decisão de fazer um recorte bem específico na vida da apresentadora mais famosa do Brasil. Além disso, se destaca também por um dos assuntos levantados que hoje também vem chamando atenção.

Hebe - A Estrela do Brasil

Durante a cena inicial do filme temos um pouco do posicionamento de Hebe com seu trabalho. Mostrada como uma pessoa forte e decidida, ela se nega a apresentar o programa até que seu convidado seja liberado. Mas esse impasse é explicado por cenas de um outro tempo, onde um censor ameaça o programa caso ela não mude sua postura.

Se tratando de um filme nacional, muitos sabem da história de Hebe e também da do país. Esse período do filme é pós ‘final da ditadura’, questionado pelo suposto fim da censura pela qual Hebe estava passando. Porém, tal assunto é hoje trazido de volta aos debates por conta do modelo atual de governo e acontecimento recentes. Logo, assim como no filme temos o debate de que a censura realmente terminou?

Hebe - A Estrela do Brasil

Ainda, Hebe acaba sendo mostrada como uma mulher de negócios. Tanto por fazer seu programa da forma que acha melhor, se posicionar como quer e negociar seus termos na mudança para o SBT. Tramas no núcleo externo a TV também tem espaço. Desde os abusos com o marido, problemas relacionados ao stress e até mesmo sua relação com seu filho. Este que também, mesmo apagado, tem seu arco lidando com o ausência do pai.

Mas, mesmo não sendo tão fiel a acontecimentos, toda a construção é bem feita ao ponto do espectador acreditar e ver uma versão da apresentadora que agrada. Com um debate sobre o final da década de 80 e assustadoramente atual, ‘Hebe – A Estrela do Brasil’ acerta em nos fazer lembrar da apresentadora que faleceu em 2012.

Nossa nota
Nota dos leitores
[Total: 0 Average: 0]

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *