Crítica: Dragon Ball Super – Broly

Dragon Ball Super – Broly‘ é um filme feito para o fã da série. Ele entrega uma ótima animação e longos períodos de gritos para transformações.

Com uma introdução enorme que podia ser reduzida, ‘Dragon Ball Super: Broly‘ começa a ficar mais interessante na luta principal. Broly é um Sayajin que foi praticamente banido por ser, antes de nascer, mais forte que o príncipe Vegeta. Mas o que deveria ser ruim, foi o motivo de ele ter sobrevivido quando Freeza praticamente extingue a raça do universo.

Já nos tempos atuais, encontramos Vegeta e Goku lutando novamente. Sem saber ainda o porque, Whis questiona ambos para saber a motivação de ficarem ainda mais fortes. Mas esse momento de lazer é interrompido por conta do roubo das Esferas do dragão e a busca deles por elas.

Novamente, Freeza se torna um pivô da trama e também seu alívio cômico. Ele faz de novo muitas das ações que o fizeram se destacar e ser lembrado. Um perfil sarcástico, um desejo fútil e matar uma pessoa só para provocar um Sayajins então na lista novamente.

Broly é apresentado como um ser que pode se equivaler aos dois clássicos mas isso só acontece durante a cena de luta. De toda a duração do filme, os diálogos são poucos e no maior tempo temos explosões e gritos para transformações. Mas isso é o que deixou ‘Dragon Ball Z‘ se consolidar com os fãs.

Estranhamente, o filme foi exibido em japonês. Irônico porque alguns animes a versão dublada já está tão nostálgica na memória que estranhamos as vozes. Se for mais velho, e caso queira, aconselho que procure sessões dubladas.

Nossa nota
Nota dos leitores
[Total: 6 Average: 3.3]

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Tiago Ribeiro da Costa disse:

    Legal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.