Crítica: Jurassic Park

“Jurassic Park” certamente foi muito marcante na história no cinema. O filme apresenta dois paleontólogos que visitam um parque temático em uma ilha com dinossauros vivos, clonados a partir de DNA encontrado em mosquitos

Jurassic Park

Após um incidente em que um dinossauro ataca um operário, os investidores do parque pressionam o dono para que ocorra inspeções de profissionais. Assim, Alan, Ellie e Ian são convidados para a ilha para fazerem um passeio para garantirem que o parque é seguro para visitações. 

Mas o passeio não sai como planejado, pois o programador do parque que foi pago por uma empresa rival para roubar embriões, decide desligar toda a energia do parque. Os dinossauros que estavam presos por cercas elétricas agora circulam livremente pela ilha. É aí que o desespero começa, quando Alan e Ellie,juntos dos netos do dono, encontram os carnívoros e agora lutam pela própria sobrevivência na ilha.

Jurassic Park

O que mais chama atenção no filme é certamente sua qualidade técnica. A computação gráfica usada para dar vida aos dinossauros é realmente incrível. Seu roteiro nos proporciona uma boa e emocionante aventura, e até mesmo um pouco de terror em algumas cenas. Outro ponto interessante é que mesmo com duas horas e oito minutos, o filme consegue segurar muito bem a atenção do espectador até o seu final.

 Responsável por marcar uma geração inteira, “Jurassic Park” foi o primeiro filme da Universal Studios a ultrapassar a marca de US$ 1 bilhão em bilheteria, e se tornou um grande clássico do cinema.

Nossa nota
Nota dos leitores
[Total: 0 Average: 0]

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.