Crítica: Rua do Medo 1666

Rua do Medo 1666” finaliza a trilogia de filmes de terror da Netflix, mas vendo como um todo, essa dinâmica foi merecida. O ramo do terror referenciado agora é aquele que traz maldições, pequenas comunidades e perseguição religiosa. Sendo assim, a maior semelhança é traçada por Sarah e Deena, por serem lésbicas e se sacrificarem por quem amam. E devido ao contexto, Sarah ganha o nome de bruxa por, supostamente, invocar o demônio ao amar alguém do mesmo sexo.

Rua do Medo 1666

Como era de se esperar, esse terceiro filme trouxe as respostas do mistério de Shadeside. Entretanto, o formato escolhido fez com que o filme fosse um pouco arrastado. Afinal, retornando ao ano de 1666 e contando toda a história, mesmo que interessante, é cansativo.

Por fim, vemos que os Goods são a família responsável por trazer a maldição. Dessa forma, em troca de sacrifícios, Sunnyvale prosperaria. Entretanto, pelas entrelinhas, esse sacrifício se torna um assassino que leva outros com ele. Assim, a explicação das visões é a promessa de Sarah de perseguir a descendência Good até a verdade aparecer.

Rua do Medo 1666

De volta a 1994, acompanhamos o plano para parar a maldição e salvar a cidade. Como descendente, o Xerife Nick Good é quem convoca e escolhe os sacrifícios agora. Sendo assim, ele se torna a face do vilão. O plano é engenhoso e restaura as referências aos filmes dos capítulos de 1994 e 1978.

Rua do Medo 1666” seria exibido nos cinemas, mas devido a pandemia foi comprado pela Netflix. Entretanto, é difícil de ver funcionando no cinema, e essa dinâmica fez com que se destacasse. Porém, dada a cena final, podemos esperar um universo de terror!

Nossa nota
Nota dos leitores
[Total: 1 Average: 3]

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Deborah disse:

    Legalzinho

  2. Matheus disse:

    Ruim demais.

  3. Tiago disse:

    Muito tosco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.